Varejo paraibano registra 2º maior crescimento do País, aponta IBGE

As vendas de final de ano no comércio da Paraíba colocaram, novamente, o setor em destaque no cenário nacional, ao registrar o 2º maior crescimento do País. De acordo com dados da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgados nesta quarta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas apresentaram alta de 10% no mês de dezembro sobre o mesmo mês do ano anterior nas lojas comerciais do Estado, ficando atrás apenas do Estado do Amapá, enquanto o País registrou alta de 2,6% nas vendas.

Já as vendas do comércio ampliado da Paraíba, que analisa os segmentos de veículos, peças e materiais de construção, expandiram 5,1% em dezembro sobre o mesmo mês do ano anterior, enquanto o crescimento do País ficou abaixo da Paraíba (4,1%). O Estado registrou a segunda maior taxa do Nordeste nesse indicador, ficando atrás apenas da Bahia (8%).

Ranking do País em dezembro – Frente a dezembro de 2018, a variação das vendas do comércio varejista nacional registrou aumento em 18 das 27 Unidades da Federação, com destaque para os Estados do Amapá (38,7%) e Paraíba (10%), que tiveram crescimento acima de dois dígitos. Por outro lado, pressionando negativamente, figuram nove Unidades da Federação, com destaque para: Rondônia (-6,8%), Ceará (-2,8%) e Paraná (-2,8%).

“A presença de recurso livre adicional devido a liberação dos saques nas contas do FGTS a partir do mês de setembro e a melhoria na concessão de crédito à pessoa física são alguns fatores que podem ter influenciado esse resultado no segundo semestre. O comércio ainda não se recuperou totalmente da crise de 2015 e 2016, mas está em seu momento mais elevado desde outubro de 2014”, explica a gerente da pesquisa do comércio do IBGE, Isabella Nunes, que acrescenta: “a Black Friday em 2019 caiu na última sexta-feira do mês de novembro, o que levou o comércio a expandir as promoções para o fim de semana e, assim, muitas das vendas desse evento ocorreram já em dezembro, no domingo do dia 1º. Isso pode ter influenciado nos resultados positivos para o setor de móveis e eletrodomésticos”, comenta Isabella.

Maiores crescimentos – Entre as atividades que tiveram mais destaques em crescimento foram outros artigos de uso pessoal e doméstico; seguido por Móveis e eletrodomésticos e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos. Ainda com avanço nas vendas frente a dezembro de 2018, figuram ainda equipamentos e material para escritório, informática e comunicação e Livros, jornais, revistas e papelaria.

Já a influência negativa foi observada em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; seguida, em menor medida, por Combustíveis e lubrificantes e tecidos, vestuário e calçados, setores que também mostraram queda nas vendas frente a dezembro de 2018.