TIM sugere usar celular para rastrear pacientes com Coronavírus

TIM sugeriu utilizar sua rede telefônica para monitorar os infectados pela covid-19 no Brasil. O objetivo da companhia é rastrear os movimentos das pessoas com a doença para garantir que não haja violação da quarentena, o que pode ajudar na proliferação da pandemia.

A medida já é utilizada pela empresa em sua matriz italiana. O país europeu é o mais afetado pelo coronavírus atualmente, e o rastreamento é uma das formas utilizadas pelo governo para tentar frear a doença, que já causou mais de 8 mil mortes na Itália.

O sistema sugerido pela companhia utilizará uma evolução de uma tecnologia de monitoramento de área da TIM, que já foi colocada em ação em eventos como a Copa do Mundo e, agora, é adotada no Rio de Janeiro para detectar aglomerações. A solução utiliza dados anônimos de usuários de celular para montar uma espécie de mapa de calor de multidões.

Segundo explica o Tilt, a companhia mapeia os celulares que estão conectados a uma mesma antena, o que permite verificar quantos usuários estão em uma área e a movimentação pela cidade. “Tem sido útil para saber se as medidas de restrição estão surtindo efeito ou não” explica Leonardo Capdeville, CTIO da TIM Brasil. “A gente consegue ver claramente uma mudança de perfil”.

Privacidade e LGPD

Enquanto o monitoramento de multidões é seguro para a privacidade do usuário, já que os dados são anonimizados, a criação de um mecanismo de mapeamento de usuários com a covid-19 pode violar as diretrizes da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), já que o rastreamento seria feito diretamente com uma pessoa. “O que poderíamos disponibilizar para eles é o deslocamento, sem saber se aquela pessoa é ou não suspeita ou um caso confirmado. Por meio de cruzamento de dados, que o Ministério da Saúde (MS) provavelmente já tem, fazer a interseção.

De acordo com Capdeville, a empresa pretende trabalhar com instituições do governo e também com outras operadoras para implementar a tecnologia sem ferir as legislações brasileiras de proteção de dados. Para isso acontecer, porém, é preciso que o Ministério da Saúde e usuários optem pelo uso da tecnologia, que ainda não existe no Brasil, mas pode ser criada e auxiliar no controle da pandemia.

“O que estamos ponderando é, se isso for atrelado ao número de uma linha, você consegue saber não somente que essa pessoa está na cidade de São Paulo, mas que ela está de fato no bairro tal, na rua tal, no endereço tal.”, explica o executivo da TIM Brasil. “Ali tem de ser acompanhado, porque pode ser um foco de contaminação.”