Presidente palestino anuncia rompimento de todas as relações com EUA e Israel

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, anunciou neste sábado (1º) o rompimento de todas as relações com Estados Unidos e Israel. Nesta semana, Abbas criticou o plano de paz apresentado pelo presidente dos EUA, Donaldo Trump, para o Oriente Médio.

Durante a reunião de extraordinária da Liga Árabe, realizada no Egito, Abbas disse que a proposta norte-americana viola os acordos de Oslo, que israelenses e palestinos assinaram em 1993. “Informamos que não existirá nenhum tipo de relação com vocês (os israelenses) nem com os Estados Unidos, nem sequer em termos de segurança, à luz do plano americano que viola os acordos de Oslo.”

Abbas, que afirmou ter enviado a mensagem ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu a Israel “que assuma suas responsabilidades enquanto potência ocupante” dos territórios palestinos.

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, discursa nesta terça-feira (28) após apresentação de plano para o Oriente Médio — Foto: Raneen Sawafta/Reuters

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, discursa nesta terça-feira (28) após apresentação de plano para o Oriente Médio — Foto: Raneen Sawafta/Reuters

Novo mapa

O anúncio do plano foi feito por Trump na terça-feira (28) ao lado do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. O projeto apresentado incluiu um redesenho do mapa da região disputada por israelenses e palestinos. A proposta estabelece um reconhecimento mútuo entre Israel e Palestina — no que o presidente norte-americano chamou de “solução realista de dois Estados”.

O desenho foi feito à revelia das autoridades palestinas, que não participaram das conversas para definir o plano. Na terça-feira, Abbas chamou o projeto de “conspiração” e disse que não aceitará os termos.

Proposta dos EUA para o novo Estado Palestino — Foto: Betta Jaworski/Arte/G1

Proposta dos EUA para o novo Estado Palestino — Foto: Betta Jaworski/Arte/G1

O mapa faz parte do projeto divulgado pela Casa Branca com o nome “Paz para a Prosperidade”. O projeto estabelece, entre outros pontos, as seguintes propostas:

  • Jerusalém permanece indivisível considerada capital de Israel.
  • O futuro Estado Palestino terá a região de Abu Dis — a cerca de 1,5 km da cidade murada de Jerusalém — como capital.
  • O novo Estado Palestino terá um novo território para indústrias de alta tecnologia e outro destinado a casas e produção agrícola.
  • Os portos de Haifa Ashdod, em Israel, terão acesso garantido para os palestinos.
  • Haverá um túnel ligando a Faixa de Gaza à Cisjordânia, garantindo a unidade do novo Estado Palestino.
  • Todo o Vale do Jordão ficará sob controle de Israel — ou seja, toda a fronteira com a Jordânia, país independente a leste do território israelense.
  • Assentamentos israelenses na Cisjordânia não serão removidos.

Além dessa organização territorial, o plano estabelece uma gradual desmilitarização da região — com o fim das atividades militares do Hamas, que comanda hoje a Faixa de Gaza. Além disso, palestinos muçulmanos terão acesso garantido à mesquita de Al-Aqsa, considerada sagrada e que fica em Jerusalém.

Líder da Autoridade Palestina chama plano de paz de Trump de plano de conspiração

O impasse ocorre sobretudo diante da crise que se intensificou com recente decisão dos Estados Unidos em deixar de considerar os assentamentos israelenses na Cisjordânia uma violação ao direito internacional — uma reversão da política adotada em 1978, no governo de Jimmy Carter.