MPF pede que Ricardo Coutinho, Coriolano, Waldson e Gilberto Carneiro voltem à prisão

O Ministério Público Federal (MPF) pediu que o Superior Tribunal de Justiça restabeleça a prisão dos investigados na Operação Calvário, que foram beneficiados pelo Habeas Corpus concedido pela Corte ao ex-governador paraibano Ricardo Coutinho. Da mesma forma que solicitou que os demais investigados na Operação Calvário, como Coriolano Coutinho, Bruno Miguel Teixeira de Avelar Pereira Caldas, José Arthur Viana Teixeira, Valdemar Ábila, Denise Krummenauer Pahim, Breno Dornelles Pahim Neto, Waldson Dias de Souza e Gilberto Carneiro da Gama, voltem à prisão.

Segundo o MPF, a aplicação de medida cautelar em caso de organização criminosa é inviável, de acordo com a jurisprudência do próprio Superior Tribunal de Justiça (STJ). Todos esses réus estão em liberdade e cumprindo medidas cautelares.

O Operação Calvário II desbaratou um esquema criminoso que teria desviado mais de R$ 134 milhões da saúde e da educação da Paraíba e segundo a denúncia, contava com a participação do ex-governador Ricardo Coutinho e foi operado durante seus dois mandatos, entre 2010 e 2018. As investigações apontaram fraudes em licitações e em concursos públicos, corrupção e financiamento de campanhas e superfaturamento em equipamentos, serviços hospitalares e remédios.