Governador deve usar polícia para forçar isolamento como medida de combate ao coronavírus no Estado, diz Geraldo Medeiros

De acordo com Geraldo, a decisão foi tomada após reunião com o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, e de Campina Grande, Romero Rodrigues.

O governador da Paraíba, João Azevêdo, decidiu autorizar as forças policiais do estado para determinar o isolamento social da população para seguir o plano de prevenção do espalhamento do coronavírus. Foi o que revelou o secretário de Estado da Saúde (SES), Geraldo Medeiros, durante entrevista a Rede Paraíba de Comunicação na manhã desta sexta-feira (20).

De acordo com Geraldo, a decisão foi tomada após reunião com o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), procuradores dos dois municípios e do estado, além de integrantes do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

“A reunião foi feita justamente no sentido de analisar as medidas que podem ser adotadas, para promover a restrição de pessoas, fazer uma contenção social, objetivando controlar a circulação do vírus no nosso estado e consequentemente limitando o número de casos”, disse o secretário.

Ainda de acordo com o secretário, o uso das forças policiais para forçar o isolamento dentro de casa se justifica pela crescente dos casos de transmissão sustentada, que ocorre quando o paciente não sabe de quem ele pode ter recebido o vírus, em outras partes do país.

As decisões tomadas na reunião devem ser editadas em um decreto governamental, que deve ser publicado no Diário Oficial do Estado da Paraíba (DOE) neste sábado (21).

Outras medidas na Saúde

Durante a reunião com João Azevedo, Romero Rodrigues detalhou os planos para, a curto prazo, fazer uso do Hospital Pedro I e da UPA Raimundo Maia de Oliveira, do Alto Branco, como unidades exclusivas para recepção e atendimento a casos de coronavírus na cidade.

A proposta do prefeito campinense foi bem recebida pelo governador e equipe, por integrar o plano de contingência do Estado, principalmente a definição do Hospital Pedro I como referência exclusiva em Campina Grande para internações e UTI destinado a casos do Covid-19.

LEIA  MAIS: Sobe para 114 o número de casos suspeitos de coronavírus na Paraíba; 40 foram descartados