EUA se prepara para assinar acordo com talibãs em 29 de fevereiro

Conflito entre os norte-americanos e o Talibã, que acontece no Afeganistão, já dura 18 anos; trégua parcial e o acordo podem ser um marco importante

Os Estados Unidos se preparam para assinar um acordo com os talibãs, depois de uma semana de diminuição da violência no Afeganistão, que começará oficialmente no sábado (22), anunciou o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, nesta sexta-feira (21).

“Depois que se começar a aplicar corretamente este compromisso (de redução da violência), espera-se a assinatura do acordo entre os Estados Unidos e os talibãs”, disse Pompeo, em um comunicado divulgado após sua visita à Arábia Saudita.

“Nos preparamos para que o acordo seja assinado em 29 de fevereiro”, afirmou.

A mesma data havia sido mencionada anteriormente por uma autoridade afegã, que indicou que a assinatura aconteceria na capital do Catar se esse período experimental de redução da violência fosse respeitado.

Essa trégua parcial e o acordo posterior marcarão um capítulo importante no conflito no Afeganistão, que já dura 18 anos.

Em seu comunicado, Pompeo afirmou que as negociações entre os distintos grupos afegãos começarão após a assinatura do acordo em 29 de fevereiro.

As negociações desejam alcançar “um cessar-fogo completo e permanente e um roteiro político para o Afeganistão”.

Segundo Pompeo, o progresso feito até agora mostra que existe “esperança” e representa “uma oportunidade real” para a paz.

Repercussão do acordo

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que um acordo histórico entre Estados Unidos e o Talibã abriria caminho para uma paz duradoura no Afeganistão.

“Pode pavimentar o caminho para as negociações entre os afegãos, uma paz duradoura e garantir que o país não seja mais um refúgio seguro para terroristas”, declarou em comunicado.

Moscou, por sua vez, elogiou um acontecimento importante para a paz.