Comissária da ONU denuncia retrocessos em direitos humanos no Brasil

Em seu discurso anual sobre a situação global, a ex-presidente do Chile incluiu o Governo Bolsonaro entre os cerca de 30 locais no mundo onde existem sérias preocupações.

A alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou a situação de violações de direitos humanos no Brasil. Em seu discurso anual sobre a situação global, a ex-presidente do Chile incluiu o Governo Bolsonaro entre os cerca de 30 locais no mundo onde existem sérias preocupações.

“No Brasil, ataques contra defensores dos direitos humanos, incluindo assassinatos – muitos deles dirigidos a líderes indígenas – estão ocorrendo em um contexto de retrocessos significativos das políticas de proteção ao meio ambiente e aos direitos dos povos indígenas”, alertou Bachelet. “Também estão aumentando as tomadas de terras indígenas e afrodescendentes”, concluiu.

A representante da ONU se referiu também ao trabalho dos movimentos sociais e aos ataques sofridos por ongs. Segundo ela, estão aumentando os “esforços para deslegitimar o trabalho da sociedade civil e do movimento social”.

Seu discurso não foi acompanhado pela embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo. Além do Brasil, a chilena citou preocupações sobre a situação dos direitos humanos na Bolívia, Chile e Equador, além de um informe especial sobre os crimes e violações cometidos na Venezuela. A inclusão de um país nessa lista é um termômetro da situação internacional que vive aquele governo.